Soneto: Concupiscência

Poeta Tulio Rodrigues
Fiz de teu corpo um templo do pecado,
uma profana fonte de desejo,
a singular pintura que não vejo,
mas que em meu corpo ficará marcado!…
Extraí de tua boca o que eu almejo;
um encontro de línguas tão sagrado,
um lindo amor tão quente e tão safado,
senti, o gosto casto do teu beijo!…
Eu tento mostrar todo sentimento,
mas eu sei que não posso, não consigo!…
Por mais que eu tente, mais teu corpo atiço
e a toda hora, por todo momento,
faço com que ele seja o meu abrigo,
pois teu corpo é tudo que cobiço!…
Autor: Tulio Rodrigues
Rio de Janeiro, 11 de fevereiro de 2010.
00h e 07m, AM.
* Titulo sugerido por Antônio Cooper.

Soneto: Concupiscência

Poeta Tulio Rodrigues
Fiz de teu corpo um templo do pecado,
uma profana fonte de desejo,
a singular pintura que não vejo,
mas que em meu corpo ficará marcado!…
Extraí de tua boca o que eu almejo;
um encontro de línguas tão sagrado,
um lindo amor tão quente e tão safado,
senti, o gosto casto do teu beijo!…
Eu tento mostrar todo sentimento,
mas eu sei que não posso, não consigo!…
Por mais que eu tente, mais teu corpo atiço
e a toda hora, por todo momento,
faço com que ele seja o meu abrigo,
pois teu corpo é tudo que cobiço!…
Autor: Tulio Rodrigues
Rio de Janeiro, 11 de fevereiro de 2010.
00h e 07m, AM.
* Titulo sugerido por Antônio Cooper.